Archive for fevereiro \20\UTC 2011

Vulcanos

20 fevereiro 2011

Ela havia caído naquele planeta, em uma estrela vermelha.
Crescera em meio a várias criaturas… muitas delas, grotescas! Algumas muito mais elevadas do que ela… mas nenhuma consciente!

Crescera em meio a eles, ora impressionando-se com tudo, ora entediando-se. Por vezes queria que todos conseguissem alcançar sua lucidez! Em outros casos, temia que a jogassem na fogueira por ser lúcida! – Que tem luz. Lúcifer!

Habituara-se a esgueirar-se por entre os diversos alienígenas… nas multidões das ruas, dos comícios, dos shows, dos empórios… e eles eram verdes, roxos, marrons, acinzentados, multi-coloridos… acotovelavam-se nas feiras, nos cinemas… um dia, do nada, quando ela consegue espremer-se por entre dois aliens gordos, no momento em que ela retoma a postura ereta e enche os pulmões de ar, depara-se, inusitadamente, com um exemplar azul-cobalto! Idêntico à sua cor!
Sua forma é semelhante, as mesmas escamas octogonais nas costas, as mesmas barbatanas sob o queixo… suas mãos têm oito dedos como as dela… seu olhar é nítido e profundo, como se também “soubesse”, como se também “visse”! E ele lhe sorri! Um sorriso de admiração, surpresa, alegria!

Eles se reconhecem!

Mas acham que estão sonhando…. só podem estar sonhando!

Eu ainda existia dentro de mim e não percebia!

20 fevereiro 2011

Estou com uma pulsão para escrever! Desde ante-ontem, tenho vontade de escrever sem parar… até cantei, ontem! Bem, eu já vinha há algum tempo, retornando a mim, mesmo…  e isso me fez cantar algumas vezes…. infelizmente, perdi a voz. Pior que isso, quando tento cantar, alguns sons não saem e no lugar deles, sinto uma DOR na garganta! Dor, mesmo.. como se minha garganta tivesse se deteriorado ao ponto de ser impossível usar algumas partes dela, ou combiná-las de determinada forma. Mesmo, assim, estúpido que sou, creio que poderei regenerá-la! Creio que ainda poderei cantar…  e de tão demente, ainda acho que posso vir a cantar melhor que antes!
Mas não era sobre cantar que queria falar… era sobre escrever! É uma insanidade, isso! Estou com pulsão para escrever! Logo, significa que quero expressar muitas coisas, mas, agora, quero escrever sobre nada! Apenas, sobre esta pulsão!

Ela foi desencadeada pela Anja.. apocalíptica, sinovial, solenóide, sísmica…. ela extrai da minha mente, todas aquelas palavras lindas que significam mudanças radicais, poderosas e de extrema violência (em termos de contraste entre situações)… hecatombe! Catástrofe, terremoto, abalo sísmico, explosão, erupção vulcânica!

– Impetuoso; fogoso; à força. Tumultuoso. Veemente. Irascível. Arrebatado. Intenso. Brutal. -> Revolução!
Desencadeou-se em mim, uma reação atômica! Emerge de mim, eu mesmo! Como nunca d’antes! Sim, sim, este processo já deveria estar anunciado…. as sucessivas mudanças em minha vida, nos últimos tempos, foram preparativos para este momento! Mas eu não tinha consciência de que ele viria! Quiçá que seria, já!
Quase não creio!
Em minha vida, muitas foram as decepções, as falências, as situações idiotas, absurdamente idiotas, em que algo “quase” foi… Tudo o que parecia maravilhoso, sempre falhava no último instante. E isso é de uma angústia sem tamanho! Pq não falhava, logo de cara? Pq tinha que levar-me pela maldita esperança por longo caminho até que tudo se perdesse, SÓ no último instante? Que maldito diabo vive a divertir-se comigo????
Acostumado a isso, agora, diante do IMPOSSÍVEL, do IMPROVÁVEL, do INEXISTENTE, INACREDITÁVEL, só posso estar sendo vítima dEle, novamente…
Sou impelido a pensar que mais este Titanic há de naufragar – e  em breve! Talvez, hoje!
Mas eu sempre fui até o fim… eu nuca desisto!
Eu já havia desistido, de certa forma, é fato…. já havia me conformado com o peso do mundo… já havia aceitado que teria que viver de outro jeito.
Mas surge esta COISA! Este absurdo! Esta, esta… esta coisa sem palavra para definir! Some os significados de todas aquelas palavras fortes que escrevi ali acima, mais os significados de megalomania, originalidade, absurdo, onírico, sensualidade, ruptura, paradigma, revolução.
Sinto-me muito impelido a jogar-me nisso…. nem que seja para ver a caravela naufragar à dois metros da praia!

O Maricá Floriu!

19 fevereiro 2011

Teremos INVERNO de verdade! Teremos frio!!!! =D
MInha vida mudou, hoje, só de contemplar o Maricá florido!
Começo a ficar feliz!

Ele me disse, com sua imagem, duas coisas adoráveis:
O calor está com os dias contados!
O Frio virá!

Eu amo os ciclos!

Morte – a outra face da vida.

19 fevereiro 2011

Há horas venho pensando em escrever umas coisas por aqui…

Ter conhecido uma pessoa, aparentemente, tão genial como eu, inspirou-me a fazê-lo!

Uma destas coisas é que – faz algum tempo – atingi um estado “atual”. O que quero dizer é que atingi um estado de “presente”… de “agora”.

Acho que não existe nada depois da morte. Quando cheguei a este raciocínio, tive uma das melhores sensaçẽos de minha vida!!!
Parar de pensar tolices sobre o amanhã é uma faceta da felicidade!
Saber que vou morrer e que “tudo vai acabar” para mim, quando eu morrer, foi algo que me trouxe muita paz!

Falei para o meu filho: Imagina que coisa mais boa! Vou morrer e fim! Não importa se vai ser logo ou daqui muito tempo. Quando eu morrer, estará tudo acabado! Simples e lindo.
Ter consciência de que se morre e pronto é maravilhoso! Faz-nos aprender a viver o “presente”. Aprender a Viver!

Infelizmente, no mundo atual, é melhor ter dinheiro para fazer as coisas, então, eu trabalho.
Mas libertou-se EM mim uma coisa de realizar tudo o que eu tiver vontade. E estou começando a me mexer neste sentido.
Ao contrário do que se poderia pensar, não estou com pressa de fazer nada.
Como não há “depois”, não preciso correr pra fazer nada… pq depois de morto, isso não fará diferença!
Não há porque ser escravo do tempo…
Se eu realizar UMA coisa na vida, ela estará realizada e pronto.
Se não realizar nada (e isso só se pode saber depois de morrer, pois enquanto estamos vivos, é possível fazermos), não faz difrença. Ninguém vai poder nos cobrar e não vamos sentir nada, nenhum arrependimento…

Depois escreverei outras coisas.